"Artistas de Itararé, Cidade Poema"

"Artistas de Itararé, Cidade Poema"
Capital Artístico-Cultural Boêmica do Sul de São paulo

BLOGUE ARTISTAS DE ITARARÉ CHÃO DE ESTRELAS

"Artistas de Itararé, Chão de Estrelas"

Contatos: artistasdeitarare@bol.com.br

Clã dos Fanáticos Por Itararé, Cidade Poema

Palco Iluminado de Andorinhas Sem Breque

Os Dez Maiores Artistas de Itararé, Ano 2011

Dez Maiores Artistas de Itararé















01)-Maestro Gaya







02)-Jorge Chuéri







03)-Irmãs Pagãs







04)-Paulo Rolim







05)-Silas Correa Leite







06)-Paschoal Melillo







07)-Rogéria Holtz







08)-Dorothy Janson Moretti







09)-Regina Tatit







10)-Armando Merege







Itararé, Bonita Pela Própria Natureza

Itararé, Bonita Pela Própria Natureza
Nosso Amor já Tem Cem Anos

sábado, 23 de julho de 2016

Artistas de Itararé: A Vida o Que é, Meu irmão? A vida é o milagre da f...

Artistas de Itararé: A Vida o Que é, Meu irmão? A vida é o milagre da f...: A Vida é o Milagre da Fé e do Amor   “E a Vida/A vida o que é meu irmão?” Gonzaguinha     1. A vida não é inteiramente ju...

A Vida o Que é, Meu irmão? A vida é o milagre da fé e do amor...


A Vida é o Milagre da Fé e do Amor

 

“E a Vida/A vida o que é meu irmão?”

Gonzaguinha

 

 1. A vida não é inteiramente justa, por isso mesmo a vida nos faz guerreiros e, ao final de tudo, vitoriosos. Mantenha sempre as suas mãos limpas...

 2. Quando estiver em dúvida, apenas acredite que da dúvida nasce a luz, o jazz, o poema, o caminho do sucesso...

 3. A vida é muito curta para perdermos tempo odiando alguém, por isso, exercite a tal terapia do perdão.

 4. Nada vai cuidar de você quando você adoecer por excesso de alguma coisa. Seus amigos e seus pais são para sempre. Mantenha sempre uma mão na frente e a outra segurando a sustentabilidade da sensibilidade...

 5. Pague as suas faturas todos os meses, sabendo que as culpas são eternas e as tentativas são remédios de percursos. Seu nome é o seu cartão de crédito, o maior capital que você tem, vai encarar ou prevaricar?...

 6. Você não tem que vencer tudo, sempre. Perder é da vida. Discorde mas mantenha a amizade e o espírito altivo...

 7. Chore por alguém. Faz bem. É mais digno que chorar por erros que não movem moinhos...

 8. Está tudo bem em ficar de mal com a vida. Ela seria uma tristeza se tudo desse certo e você fosse um qualquer...

 9. Poupe para a consciência tranquila, mas brilhe começando com seu primeiro beijo, sua primeira lágrima, seu primeiro livro, seu primeiro livro, sua viagem para dentro de você mesmo...

 10. Quando se trata de ser zen-boêmico, lembre-se, desistência é quase um pecado. Poesia então, é uma verdadeira saída de emergência nas horas íntimas...

 11. Sele a paz com seu passado, com o seu futuro, com o seu presente, com o seu Ser de si em si mesmo...

 12. Está tudo bem se seus filhos te verem chorar. Mas se não tiver filhos, não chore por não tê-los. A herança pode ser um mal evitável, e também não devemos deixar a herdeiros o legado de nossas imprudências de percursos com impunidades dissimuladas ou errações...

 13. Não compare sua vida toda especial com a dos comuns. Você não tem idéia do que todos escondem do convívio servil dos mentirosos. Toda vida é uma jornada de estrelas, mas cada um sabe de si...

 14. Se um relacionamento tem que ser em segredo, então você não tem nada a ganhar, e é melhor cometer erros que se pode contar que cometeu. Não fique devendo nada pra você mesmo, já pensou ou quer que eu desenhe? ...

 15. Tudo pode mudar num piscar de estrelas, mas não se preocupe, Deus também dá um refresco quando quer que você fique a sós antes da inércia dos incomuns, os recalcados...

 16. Respire tudo que sentir. Isso acalma a existencialização e não pede lambuja e nem gorjeta...

 17. Se desfaça de tudo que não é útil, bonito e prazeroso. Ou seja: sinta o drama e escreva poemas, toque violão, pinte quadros. Pratique plantações de sonhos, inventarie cenários, crie...

 18. O que não te serve, realmente te torna mais mochileiro das galáxias, doe, surte, mas doe-se...

 19. Nunca é tarde demais para se ter uma vida feliz. Mas a verdadeira vida é paga com lágrimas de ausências... Saudade é um sentir puro, a mais bela forma de amor vem entre o empoderamento e o distanciamento de intimas lonjuras...

 20. Quando se trata de ir atrás do que você quer para ser feliz, nunca aceite um tombo como uma resposta...

 21. Acenda sonhos, coloque as fronhas bonitas, use a mente instintal, não guarde para uma ocasião especial. Hoje é para nunca mais...

 22. Se prepare bastante; depois, se entregue de mão beijada e seja o que os anjos dizem amém. Mas não pule etapas, luta exige coragem limpa...

 23. Seja louco, não espere ficar velho para ser simples. Consulte sempre a sua mãe. Consulte sempre o seu coração...

 24. O coração é mais importante do que uma mente brilhante sem nexo causal. Seja do lado bom da força...

 25. Ninguém é responsável pelo seu futuro, além de seu passado e do seu presente, Já pensou?.

 26. Encare cada "caridade" com essas palavras: quando eu morrer que crédito vou ter no céu?...

 27. Sempre escolha a vida de consciência tranquila e sensação do dever cumprido É assim que funciona ...

 28. Perdoe para abrir canais sensoriais no estúdio do espírito... Perdoar é divino...

 29. O que outras pessoas pensam de você, não é o que Deus pensa de você. Você é quem paga as suas contas...

 30. O tempo é o melhor juiz. O tempo pode ser uma cura, aqui ou noutra dimensão cósmica... .Dê um tempo para a sua sensibilidade aflorar. Tire suas luas para dançar...

 31. Independentemente de a situação ser boa, seja bom naturalmente e por obrigação de ser sentidor e humanista. Tenha espírito limpo, respeite-se...

 32. Não se leve tão a sério. Ninguém vive antes da hora e nem se morre a prestação. E depois, morrer é estar livre...

 33. Acredite em artes. Elas libertam para o milagre de sobreviver... A arte como libertação, lembra-se do poema?

 34. Deus te ama porque te fez, não pelo que você acha que é, nem pelo que você aparenta, e depois, lembre0-se, morrer também faz bem pra pose...

 35. Não faça auditoria de sua vida. Cresça e apareça. Ilumine-se de ser imagem e semelhança...

 36. Ficar velho é melhor do que ser imaturo, asnóia, e frouxo...

 37. Seus filhos são também suas sequelas. Reveja-se neles e mude, mude-se de você, mude-se neles...

 39. Vá para a luta, todo santo dia. Conquistas são de campos de batalhas. O que vem fácil vai fácil. OU um dia descobrem tudo, e daí você vai dizer o que, todo mundo fez, todos são iguais...

 40. Se todos nós jogássemos nossos problemas em uma ilusão, o circo estaria armado mas a felicidade não seria uma conquista, seria um esconderijo camuflado de neuras sublimadas...

 41. Mentira é perda de tempo. Você já tem tudo o que é... Você não pode fugir do lugar que está, do lugar que é, do lugar que se resultou depois de tudo... Remorso ou consciência pesada não pagam dúvidas ou dívidas...

 42. O melhor está na conquista, não naquilo que vem grátis, fácil, corrompido, prevaricado sem honra ao mérito...

 43. Não importa como você se sinta, levante-se, estude, leia muito, releia, pesquise, evolua, dê sinais de dignidade existencial, caia na real...

 44. Produza paz, sonhos, esperanças, afetos abertos e por atacado, more sempre num abraço...

 45. A vida não vem do seu jeito, gosto e estilo. Por isso evoluímos. Seja a estrela de seu palco presencial em harmonia, pele e ritmo... 50 tons de cinzas? Esqueça que é fria. Mochileiro das galáxias? Seu DNA.

 -0-

Silas Correa Leite - E-mail: poesilas@terra.com.br - Texto da Série ÉRAM OS SONHADORES EXTRATERRESTRES?


 

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Novo Livro de SPC-Sebastião Pereira Costa de Itararé


 

 

 



A História Oculta

 

Romance do jornalista e escritor  

Sebastião Pereira da Costa - SPC

 

A História Oculta se situa em uma pequena cidade do sudoeste paulista (Itararé), no período imediatamen­te anterior ao início da Segunda Guerra Mundial. Foi em uma co­lônia austro-germânica, próxima a essa cidade, que a Gestapo, por de­terminação direta da alta cúpula do partido nazista, foi buscar o homem ideal para a consecução de um plano ousado e de grande relevância para o projeto expansionista alemão. Um plano que mudaria os destinos do Brasil e do mundo.

Foram três anos de pesquisas para este trabalho, além do respaldo documental de obras antológicas sobre o período. Portanto, mais que uma obra de ficção, é o testemunho de uma época de transformações sociais e políticas, que marcaram o nosso país e o mundo nas décadas de 1930 e 1940. Para sempre.

           

É, também, o resgate da histórica Colônia Áustria, Bairro da Seda, cujo registro não consta de nenhum documento nacional de expressão, a despeito de sua importância socioeconômica pioneira para a região sudoeste paulista. Ela foi totalmente esquecida pelos historiadores brasileiros, o que nos conclamou a resgatar esse período, mesmo que incompleto, a fim de não deixar passar em branco, nas linhas do tempo, a saga dessa gente alegre, trabalhadora e corajosa, que veio do outro lado do mundo na esperança de encontrar no Brasil, em Itararé, o seu Eldorado.

                                  

Silas Correa Leite em Revista Eletronica no Exterior


segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Árvore de Natal dos 20 Livros de Silas Correa Leite de Itararé-SP

 
 

*

Goto

Surtagens

Gute Gute

Mocorongos

Porta-Lapsos

Pirilâmpadas

O Tao da Poesia

Estados da Alma

Bulbos Transversos

Troios Perigritantes

Raízes & Iluminuras

Trilhas e Iluminuras

Desvairados Inutensilios

Ele Esta No Meio de Nos

O Rinoceronte de Clarice

Os Picaretas do Brasil Real

Campo de Trigo Com Corvos

Assim Escrevem os Itarareenses

O Menino Que Queria Ser Super-Heroi

Não Deixem Que Te Tirem a Primavera

 

Árvore de Natal de Todos os Meus Livros em Prosa e Verso, Entre Ebooks e Impressos

Silas Corrêa Leite – Estância Boêmia de Santa Itararé das Artes, Cidade Poema

Feliz Natal, Feliz 2016, Feliz Livros Novos

Dê Livros de Presentes - Ganhe Livros de Presentes

E Esteja Sempre numa Viagem Rumo ao Futuro

Seja a Sua Vida Um Livro Aberto Sobre Sua Viagem de Existir

 

Os Livros do Autor Silas Corrêa Leite Estão a Venda na Editora Clube de Autores, Autografia, Livraria Cultura, Livraria da Folha, Site Amazon e mesmo em sites e Estantes Virtuais, os mais antigos

Contatos: poesilas@terra.com.br

www.artistasdeitarare.blogspot.com/

 

 

 

 



Almanaque de Natal 2015, Silas Corrêa Leite, Silas e Suas "siladas"...


Outro Almanaque de Natal – Silas e Suas “Siladas”

 

ULTIMO NATAL (Então, Não é Natal)

 

-É Natal?

Não há sino pequenino nem presépios elétricos

Nem corais, nem amigos secretos

Nem consumismo, nem comércio

Resta morta toda a humanidade

DEUS

No píncaro da glória de seu potentado em celestidade

Olha Jesuscristinho ao seu lado e tem dó

São Eles só

Os dois

Os anjos foram cantar hosanas e aleluias noutra freguesia

Da terra já não há mais nada do que antes havia

O mundo acabou

Aquela porcaria

O criador que tudo vê e tudo sofre, e tudo sente, de novo, outra vez

Vai tentar do recomeço

Com mais prudência, adereço, justiça e sensatez...

 

-É Natal?

Não há ouro, incenso e mirra; não há mais ninguém

Da civilização humana nada mais resta

Nem comércio e nem consumo

Nem pannetone ou arroz de festa

DEUS

Do píncaro da gloria de seu potentado supracelestial

Arrependeu-se do que criou. E tanto mal...

O livre arbítrio

O sitio

Daquilo que gerou. (Esse livre arbítrio

Que não valeu nada)

E Ele ali mal se cabendo em si como se numa encruzilhada

Restam escombros

Pós-selvageria

Das atônitas explosões das bombas da água, do lixo, da fome

Que mataram o homem

Em suas vilezas de historiais escombros...

 

(Então não é Natal

Menos mal)

Não há nada para ser comemorado e ponto final.

-0-

Continho

 

Lurdes Pobrinha da Silva

 

Lurdinha queria ver o Papa.

O dia inteiro o papo aranha no rádio, na televisão, nas contações das beatas da periferia abandonada e carente, entre becos, cortiços, guetos, palafitas e a enorme favela Ordem e Progresso no Morro do Querosene, a acontecência ‘da hora’ era sobre o Papa que estaria vindo visitar o Brasil.

Lurdinha, coitadinha, deficiente física e mental, olhos cheios de remela, pobrinha e agregada de um barraco onde se restava meio que largada, desesperada e carente sonhava em ver o Papa. Passaram-se meses, sem esperança e sem cuidados, ela ficou com aquilo na cabeça.

Quando era pertinho do Natal, certa manhã radiante, o quarto amontoado em que mal e porcamente fora alojada entre trastes velhos feito um antro de despejo, se iluminou. E ela viu entrar um belo e sorridente jovem, barbudo, cabeludo, que lhe estendeu os braços largos e disse com maviosa voz:

-Olá Lurdinha, eu sou Jesus!

Lurdinha ficou desenxabida, coitada.

Ela queria ver o Papa.

-0-

 

Cântico de Itararé

 

Itararé

Será que vivendo tão distante de ti

Estou realmente existindo direito?

Longe de casa eu lutei, eu sofri

E te trago encantada, dentro do peito

 

Itararé

Valeu a pena o que distante vivi

Tão longe desse encantário, teu chão?

(Só que o caminho da volta não esqueci

E te levo ninhal, dentro do coração)

 

Itararé

Ao lembrar dessa terra a minh´alma ri

(Hoje só a saudade já não satisfaz)

Ah Itararé como eu te relembro, guri

A lua entre estrelas, sobre os pinheirais

 

Itararé

Espero um dia retornar para aí

O poeta andorinha exilada vai voltar

Em teu solo meu corpo vão plantar

Quanto, então, também serei parte de ti!

 

-0-

 

Natal de Pobre

 

 

Boneca velha suja entre sabujos

Boneca de um braço só e lá,

jogada no lixo entre bulbos

Da periferia S/A

 

Criança carente de cara séria

Humilde simples, tristinha

Resgata a pobre boneca sujinha

Na sua realidade de miséria

 

Corre a menina parda com sua cruz

De olhos pobrinhos com remela

Com aquela boneca vestida com panos ruins

Exatamente como ela

 

-É Natal, é Natal de Jesus!

Diz a criança, pobre assim

 

-Vejam o meu brinquedo que já

Papai Noel do céu mandou pra mim

 

............................................................

 

(Deus, no médio céu de horizonte externamente grená

Chora uma lágrima carmim)

 

-0-

 

 

Presépio de Pobre

 

Todo mundo tinha presépio

Na ruela onde morávamos

Eram elétricos, coloridos

Mais que o primeiro Natal

 

Cada presépio encantado

Muito mais que o de Belém

Cada jardim era um luxo

De cores e de pirilâmpadas

 

Como éramos pobrezinhos

E mal tínhamos o que comer

Imagine ter um presépio

Com tantos pertences caros

 

Meu pai andava doente

Minha mãe lavava no tanque

As tristezas que a gente

Fazia omelete de lágrimas

Mas éramos bem criativos

Eu e as minhas irmãs

E montávamos do nosso jeito

Um presepinho bem humilde

 

As paredes eram de tacos

O telhado todo de cascas

De laranjas e de cepilhos

E a tez chão, macadame

 

Os burrinhos eram sabugos

As vaquinhas de limões

Ovelhinhas sabão de cinzas

Estrela tampinha de crush

 

Maria era bem torneada

Entre pinhas e resinas

E São José eu inventava

Numa caixinha de fósforo

 

A manjedoura era apenas

Uma lata velha de sardinha

Com pétalas, flor de lágrimas

Alguns carunchos de feijão

 

Só o enviado de Deus

O divinal Jesuscristinho

Era um belo carretelzinho

De linha, que eu esculpia

Eu o ornava bem feitinho

Com muito amor e carinho

Fazendo um menino triste

A nos olhar sem milagre

E como éramos pobrinhos

Ali já dávamos, tristinhos

Ao bentinho, do presépio

A nossa coroa de espinhos

-0-

 

FELIA NATAL, FELIZ TUDO EM DEZEMRO, FELIZ 2016

 

 

 

 

 

Silas Correa Leite –E-mail: poesilas@terra.com.br


In, Livro de SILAS, Dezembro 2015

 

 

 

 

domingo, 13 de dezembro de 2015

Adelto Gonçalves, Doutor em Literatura na USP, Resenha GOTO, Romance de Silas Correa Leite


LETRAS-RESENHA CRÍTICA

 

Goto’, Um Romance Pós-moderno                                                                                                             Resenha de Adelto Gonçalves (*)

                                                        

            Itararé, pequena cidade do Estado de São Paulo na divisa com o Paraná, ganhou notoriedade à época do movimento civil-militar de 1932 em que a alta burguesia paulista, desalojada do poder em 1930, tentou, de maneira desastrada, afastar pelas armas o regime instaurado igualmente à força por Getúlio Vargas (1882-1954), fazendeiro gaúcho que soube galvanizar o ressentimento das demais unidades da Federação contra a chamada política do “café com leite”.

Como se sabe, desde o advento da República, capitalistas paulistas e mineiros, praticamente, tinham o monopólio dos benefícios e benesses que a União poderia oferecer, usufruindo-os à exaustão, enquanto os demais Estados chafurdavam no subdesenvolvimento, quase todos entregues à espoliação promovida por suas oligarquias locais.

Em 1932, deu-se então o episódio da projetada batalha de Itararé, “aquela que não houve” porque as forças de um lado e de outro concluíram que não valia à pena levar adiante aquela guerra fratricida, com a capitulação das elites paulistas, que já haviam sido derrotadas em 1930, com o afastamento abrupto do presidente Washington Luiz (1869-1957). O episódio foi utilizado, de maneira jocosa, pelo jornalista, humorista e escritor Apparício Fernando de Brinkerhoff Torelly (1895-1971), conhecido por Apporelly, que passou a apresentar-se sob o falso título de nobreza de barão de Itararé.

Obviamente, o que houve foi uma conciliação de interesses, que permitiria a Vargas levar até 1945 um projeto de governo autoritário e populista que haveria de flertar ostensivamente com o fascismo e o nazismo, até a virada em favor dos Aliados (Estados Unidos, Reino Unido e União Soviética) que se opunham aos países do Eixo (Alemanha, Itália e Japão). Hoje, sabe-se, porém, que a história oficial escondeu que houve mortos de lado a lado em Itararé, entre os invasores gaúchos e os resistentes paulistas.

I

Mais de oitenta anos depois, a bucólica Itararé agora entra pela porta da frente da Literatura Brasileira e ganha foro comparável ao do Yoknapatawpha County de William Faulkner (1897-1962) na literatura norte-americana, e de Macondo de Gabriel García Márquez (1927-2014) e de Santa Maria de Juan Carlos Onetti (1909-1994) na literatura latino-americana. A paulista Itararé é o palco das aventuras contadas por Aristides, ou Ari, ou ainda Goto, personagem do romance Goto – o reino encantado do barqueiro noturno do rio Itararé (Joinville-SC, Editora Clube de Autores, 2014), de Silas Correa Leite (1952).

 

 

                                               II

 

 

Obra do século XXI, em que toda a coerência formal da narrativa já foi desrespeitada, Goto surge como romance pós-moderno, ou seja, é fragmentado, desintegrado e de linguagem rebelde, assumindo-se como não-romance ou anti-romance, ao romper com as fôrmas literárias do Romantismo e do Modernismo, como diria o insuperável professor e ensaísta Massaud Moisés (1928).

Afinal, o barqueiro, em seu trabalho de levar gente de uma margem para outra do rio Itararé, contava para o que ouvia, mas falando na primeira pessoa, exatamente do mesmo modo como havia ouvido o caso.  Com isso, o romance adquire também um sentido polifônico, ou seja, composto por muitas vozes que não a do autor, tal como definiu o crítico literário e filósofo da linguagem russo Mikhail Bakhtin (1895-1975), ao analisar a obra de Fiódor Dostoiévski (1821-1881). É nesse sentido que se pode dizer que Goto alcança o status de pós-moderno.

II

De fato, dono de um estilo inconfundível, Silas Correia Leite é, no dizer do poeta bielo-russo-brasileiro Oleg Almeida (1971), um dos mais originais escritores deste Brasil pós-moderno, com uma visão da realidade que se manifesta de maneira socrática: com ironia, coragem e irreverência. E isso o leitor constata com facilidade logo nas primeiras linhas deste romance permeado por “causos” contados pelo barqueiro de Itararé, como o do ancião analfabeto que assinava havia mais de 50 anos um jornalão do Rio de Janeiro apenas porque precisava de papel farto para embrulhar a carne de seu açougue.

Além dos “causos” contados em linguagem caipira, há o depoimento em que Goto, espécie de alter ego do autor, conta as agruras pelas quais passou nas mãos dos esbirros da ditadura civil-militar (1964-1985) que tanto infelicitou a Nação brasileira:

“Era o regime de exceção. Era o arbítrio. Eu mesmo senti na pele a dor crucial dessa época (....). Pendurado num pau de arara, sem água, sem luz e sem pão, eu  não podia dizer muito porque nunca tinha atentado contra ninguém, minha única arma era a palavra escrita e falada, porque eu era bom de dialética e sabia ocupar meu espaço denunciando, reclamando, pedindo por eleições diretas e o fim das insanidades palaciais. Se eu soubesse muita coisa, de qualquer maneira, confesso que jamais contaria, eu não era um alcaguete e sabia suportar pressões. (Mas apanhei muito. Várias vezes. Quase morri. (...).”

                                                           III

            Silas Correa Leite, educador, jornalista comunitário e conselheiro em Direitos Humanos, começou a escrever aos 16 anos no jornal O Guarani, de Itararé-SP. Migrou para São Paulo em 1970. Formado em Direito e Geografia, é especialista em Educação pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, de São Paulo, com extensão universitária em Literatura na Comunicação na Escola de Comunicações e Artes (ECA), da Universidade de São Paulo (USP). É autor também, entre outros, de Porta-lapsos, poemas (Editora All-Print-SP), Campo de trigo com corvos, contos (Editora Design-SC), obra finalista do prêmio Telecom, Portugal, 2007, e O homem que virou cerveja: crônicas hilárias de um poeta boêmio (Giz Editorial-SP), Prêmio Valdeck Almeida de Jesus, Salvador-BA, 2009.

Seu e-book O rinoceronte de Clarice, onze ficções, cada uma com três finais, um feliz, um de tragédia e um terceiro final politicamente incorreto, por ser pioneiro, foi destaque em jornais como O Estado de S.Paulo, Diário Popular, Revista Época, Revista Ao Mestre Com Carinho e Revista Kalunga e na rede televisiva. Por ser único no gênero e o primeiro livro interativo da Rede Mundial de Computadores, foi recomendado como leitura obrigatória na disciplina Linguagem Virtual no Mestrado de Ciência da Linguagem da Universidade do Sul de Santa Catarina. Foi tema de tese de doutorado na Universidade Federal de Alagoas (“Hipertextualidade, o livro depois do livro”).

Silas Correa Leite recebeu os prêmios Paulo Leminski de Contos, Ignácio Loyola Brandão de Contos; Lygia Fagundes Telles para Professor Escritor, Prêmio Biblioteca Mário de Andrade (Poesia Sobre São Paulo), Prêmio Literal (Fundação Petrobrás), Prêmio Instituto Piaget (Lisboa, Portugal/Cancioneiro Infanto-Juvenil); Prêmio Elos Clube/Comunidade Lusíada Internacional; Primeiro Salão Nacional de Causos de Pescadores (USP), Prêmio Simetria Ficções e Fantástico, Portugal (Microconto), entre outros. Tem trabalhos publicados em mais de 100 antologias e até no exterior (Antologia Multilingue de Letteratura Contemporânea, Trento, Itália; e Cristhmas Anthology, Ohio, EUA). Acaba de publicar pela Editora Pragmatha, de Porto Alegre-RS, Pirilâmpadas, poesia infanto-juvenil.

______________________________

Goto – o reino encantado do barqueiro noturno do rio ItaraRé, de Silas Correa Leite. Joinville-SC: Editora Clube de Autores, 432 págs., 2014. Site: www.clubedeautores.com.br

E-mail: poesilas@terra.com.br

_______________________________

 (*) Adelto Gonçalves é doutor em Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo (USP) e autor de Os vira-latas da madrugada (Rio de Janeiro, José Olympio Editora, 1981; Taubaté, Letra Selvagem, 2015), Gonzaga, um poeta do Iluminismo (Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999), Barcelona brasileira (Lisboa, Nova Arrancada, 1999; São Paulo, Publisher Brasil, 2002), Bocage – o perfil perdido (Lisboa, Caminho, 2003), Tomás Antônio Gonzaga (Academia Brasileira de Letras/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2012), e Direito e Justiça em Terras d´El-Rei na São Paulo Colonial (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2015), entre outros. E-mail: marilizadelto@uol.com.br